Desemprego tem melhor março da série histórica

A taxa de desemprego nas seis principais regiões metropolitanas do Brasil passou de 6,4% em fevereiro para 6,5% em março. Apesar da alta, é o menor patamar para o mês da série histórica do IBGE iniciada em março de 2002.

A população desocupada (1,5 milhão de pessoas) não apresentou variação em relação a fevereiro e caiu 14% frente a março do ano passado. A população ocupada (22,3 milhões) apresentou estabilidade em relação a fevereiro e cresceu 2,4% na comparação com março do ano passado.

Fonte: IBGE
Indicador Março de 2010 Fevereiro de 2011 Março de 2011
Taxa de desocupação 7,6% 6,4% 6,5%
Rendimento real habitual R$ 1.499,59 R$ 1.548,00 R$ 1.557,00

O relatório do IBGE aponta ainda que o número de trabalhadores com carteira de trabalho assinada no setor privado (10,7 milhões) ficou estável no mês e cresceu 7,4% no ano. O rendimento médio real dos trabalhadores (R$ 1.557,00) subiu 0,5% no mês e 3,8% na comparação anual. É o maior valor da série histórica iniciada em 2002.

“A massa de rendimento médio real habitual (R$ 35,1 bilhões) ficou 0,8% acima da registrada em fevereiro e cresceu 6,7% em relação a março do ano passado. A massa de rendimento médio real efetivo dos ocupados (R$ 34,8 bilhões) estimada em fevereiro de 2011 subiu 0,6% no mês e cresceu 6,9% no ano”, informa o documento.

Fonte: IBGE
Rendimento Médio Real Habitualmente Recebido Mar/10 Fev/11 Mar/11 Variação no mês Variação no ano
Empregados com carteira assinada no setor privado 1.416,09 1.431,47 1.433,70 0,2% 1,2%
Empregados sem carteira assinada no setor privado 1.073,71 1.093,39 1.146,30 4,8% 6,8%
Militares e Funcionários Públicos 2.597,06 2.688,67 2.802,90 4,2% 7,9%
Trabalhadores por conta própria 1.252,91 1.343,08 1.328,90 -1,1% 6,1%
Empregadores 4.038,30 4.227,03 4.229,00 0,0% 4,7%

Leave a Reply

Open chat